domingo, 15 de julho de 2018

Brasilidium pectorale: enfim sementes!

Sinônimos: Gomesa pectoralis, Brasilidium marshallianum, Brasilidium pectorale, Oncidium marshallianum, Oncidium pectorale, Anettea marshalliana, Anettea pectoralis, Oncidium larkinianum,Gomesa marshalliana, Oncidium pectorale var. larkinianum.

Fotos raras do Brasilidium petorale floridos no habitat:







É uma espécie auto incompatível, ou seja, para obter sementes viáveis precisamos cruzar flores de duas plantas distintas.

Há 10 anos ganhei um exemplar de presente e desde então vinha, sem sucesso, tentando obter sementes auto polinizando flores da mesma planta. Neste tempo, por falta de outra opção, tentei usar políneas de flores diferentes de um mesmo cacho, políneas guardadas do ano passado, flores ainda fechadas, políneas de flores passadas... Tudo tentando driblar o mecanismo fisiológico que confere a auto incompatibilidade. 

Apareceram pessoas com outras plantas desta espécie, combinei de adquirir as políneas mas a logística nunca deu certo, apareceram, também, plantas à venda, mas em boa parte devido a minha aparente determinação em reproduzir esta espécie, os preços eram sempre inviáveis... 

Em dezembro de 2017 consegui políneas de outras plantas, polinizei e hoje, 7 meses depois colhi as sementes maduras.



Moro em meio a um dos antigos habitats conhecidos desta espécie, onde está extinto, há relatos de ocorrências nos estados de SP, RJ, MG e ES. Para alguns estados está listada como espécie Criticamente Ameaçada de Extinção, ou seja, risco de extinção na natureza em curto espaço de tempo.

É uma espécie próxima dos Brasilidium (Oncidium) crispum, praetextum, gardineri e forbesii, sendo, inclusive, muito confundidos.





sexta-feira, 20 de abril de 2018

Sobre a Hoffmannseggella liliputana (Pabst) H.G.Jones

Pequena espécie que ocorre nos campos rupestres ferruginosos e quartizíticos no Quadrilátero Ferrífero, e suas intermediações.

Tem como basinômio (a denominação que a espécie recebeu em sua primeira descrição científica) Laelia liliputana Pabst, e como homotípicos (sinônimos para a mesma planta tipo, ou referência, descrita no basinônimo) Hoffmannseggella liliputana (Pabst) H.G.Jones, Sophronittis liliputana (Pabst) van den Berg & M.W.Chase e Cattleya liliputana (Pabst) van den Berg.

A razão de eu preferir utilizar o nome Hoffmannseggella liliputana, assim como Hoffmannseggella caulescens e Hoffmannseggella crispata será abordada em um post futuro.

Hoffmannseggella liliputna florida no habitat campo rupestre quartizítico.
A espécie foi descrita em 1973, e até então se acreditava tratar da menor espécie deste grupo de plantas, as outrora Laelias rupícolas, e seu nome "liliputana" foi dado em alusão dos liliputeanos, pequeno povo habitante da ilha Liliput do romance satírico As Viagens de Gulliver,  do escritor irlandês Jonathan Swiftescrito em 1726.

Gulliver sendo amarrado pelos liliputeanos.
Sob o Sol pleno o fitômero rizoma + pseudobulbo + folha normalmente não passa de 1,5 cm de comprimento, podendo quase triplicar esta medida quando a planta estiver sombreada, no entanto, nessas condições ela apenas vegeta e não floresce.

Hoffmannseggella liliputana ssob Sol pleno associada a Acianthera teres.
Hoffmannseggella liliputana sombreada.
Em campos rupestres quartzíticos geralmente os indivíduos estão muito bem encaixados nas frestas das  rochas, ou sobre a camada de detritos e fibras nas bases das canelas-de-ema (Velloziaceae) arbustivas. Já em campos rupestres ferruginosos elas também ocorrem nessas condições, e quando a canga tem a superfície mais rugosa e porosa ela se alastra de maneira mais homogênea, e sem restrição, mas em habitats alterados, que passaram a presenciar microclimas mais secos nota-se, não só pelas outras espécies vegetais associadas (fitossociologia), que as Hoffmannseggella liliputana estão definhando, apresentando uma proporção maior de pseudobulbos secos e, quando ainda vivos, desfolhados, refletindo acentuada translocação de recursos, em especial água, das partes velhas para as brotações.

Hoffmannseggella liliputana em campo rupestre quartzítico, alocada em uma pequena fresta.


Hoffmannseggella liliputana em campo rupestre ferruginoso, alastrando-se sobre canga porosa e úmida. Mais pseudobulbos vivos e folhados.
Hoffmannseggella liliputana sobre camada orgânica na base da Vellozia compacta.


Hoffmannseggella liliputana sob Sol pleno em campo rupestre ferruginoso, variante canga porosa, experimentando um microclima mais seco do que quando foi estabelecida, muitos pseudobulbos secos no indivíduo, acentuada translocação de recursos, especialmente água.
São plantas de elevada altitude, das maiores encontradas no Quadrilátero Ferrífero, pessoalmente já encontrei populações na faixa entre 1300 e 1550 m de altitude.

Sua morfologia é bastante plástica de acordo com o ambiente, suas folhas, sempre bastante suculentas, sob Sol pleno tendem à forma largo-elíptica ou elíptica, e quando mais sombreadas assumem forma lanceolada, mas em ambos os casos com o ápice atenuado, bastante suculentas e sempre eretas para diminuírem a captação da intensidade luminosa (algo já comentado aqui http://mvlocatelli.blogspot.com.br/2008/05/epidendrum-fotossntese-e-saturao.html). Sob Sol pleno seus pseudobulbos são esféricos, e vão se alongando para fusiformes conforme se aumenta o sombreamento. A inflorecência comumente uniflora, embora eventualmente sejam vistos duas a três flores no racimo, geralmente com todos os pedicelos saindo abaixo da altura das folhas, deste modo os pedicelos são mais compridos do que o próprio pendúnculo.

Mas as características mais marcantes na liliputana, e que lhe são únicas dentre todas as laelias rupícolas e cattleyas de modo geral, é o fato de suas flores sempre apontarem para cima (a Brasilaelia virens  tem um pouco disso, mas bem menos acentuado), como uma tulipa, e seus frutos serem eretos, devido ao pendúnculo e pedicelo mais resistentes, ecologicamente indicando uma projeção das flores para serem vistas, e dos frutos para disseminarem sementes com o vento, acima das frestas que comumente estão encaixadas. Casos os indivíduos apresentem essas características de maneira mais branda certamente se tratam de híbridos, naturais ou artificiais.

Indivíduo típico de Hoffmannseggella liliputana em cultivo: flores voltadas para cima, pedicelos longos e normalmente inseridos abaixo do ápice das folhas.

Outro indivíduo típico de Hoffmannseggella liliputana em cultivo: flores voltadas para cima, pedicelos longos e normalmente inseridos abaixo do ápice das folhas.
Como podem ter notado pelas fotos eu as cultivo em brita 0, ou pedrisco, em vaso plástico ou em vaso de barro, sob uma sobra de no máximo 50 %, irrigando de uma a 3 vezes por semana, e tenho tido sucesso assim.

Inflorescência de indivíduo típico de Hoffmannseggella liliputana com dois botões, inserção dos dois pedicelos abaixo da altura da folha.

Fruto ereto da Hoffmannseggella liliputana comprimida em uma fresta, projeção do fruto para melhor espalhar as sementes.

Fruto ereto da Hoffmannseggella liliputana, mesmo não tão comprimida em uma fresta.
Indivíduos de Hoffmannseggella cf. regentii (à esquerda) e de Hoffmannseggella liliputana (à direita), evidenciando que o caráter ereto do fruto da liliputana lhe é único, mesmo comparada com outras espécies simpátricas e de tamanhos equivalentes.
Aparentemente não há uma época de florescimento característica para a espécie, tanto em cultivo quanto nos habitats é possível ver indivíduos floridos ao longo do ano todo, o que as torna com um elevado potencial de hibridização com espécies simpátricas (que compartilham a mesma distribuição geográfica) do mesmo grupo, como com a Hoffmannseggella caulescens resultando no híbrido primário Hoffmannseggella ×meyerii K.G.Lacerda, dentre outros novos que estou por descrever. Quando as Hoff. liliputanas e caulescens ocorrem juntas é sempre difícil identificar nas intermediações indivíduos puros, ou seja, aqueles não hibridizados, em qualquer nível devido a retrocruzamentos com uma das duas espécies progenitoras, resultando no que denomina-se enxame de híbridos, com indivíduos com diversos níveis de introgressão (hibridação, retrocruzamento e estabilização de tipos resultantes dos retrocruzamentos pela seleção).

Hoffmannseggella ×meyerii em flor, flores projetadas para cima, herança da Hoff. liliputana.
Hoffmannseggella ×meyerii com pseudobulbos e folhas arredondados, herança da Hoff. liliputana, embora a flor não seja tão projetada para cima.
Hoffmannseggella ×meyerii em cultivo, neste há bastante herança da Hoffmannseggella liliputana, evidente pelo porte diminuto da planta, haste floral curta e flor voltada para cima.
Oficialmente na lista do Livro Vermelho da Flora de Minas Gerais (2007) a Hoffmannseggella liliputana está listada como deficiente de dados (DD) para sua categorização quanto ao nível de ameaça que esta planta corre na natureza. 

É uma espécie de pequena distribuição geográfica, pelo que já vi em exsicatas muitas vezes é determinada erroneamente em levantamentos florísticos, e ocorre, principalmente, em campos rupestres ferruginosos, passíveis de destruição para a extração do minério de ferro a qualquer momento, conforme subir a  demanda do mineral no mercado mundial, então é sim uma espécie ameaçada. Outra ameaça eminente são os incêndios em seu local de ocorrência, atualmente resido em meio deles e posso dizer que a cada ano são mais severos.

Havendo abertura de novas áreas para mineração, dentre as condicionantes ambientais exigidas pelos órgãos ambientais para implantação da atividade há o resgate de flora impactada, no entanto há uma limitação muito grande de técnicos competentes para tal, não só para a correta determinação desta e de outras espécies, mas também para o seu manejo, envolvendo acondicionamento, cultivo e reintrodução, menos ainda para a sua multiplicação.

Particularmente por muitos anos atuei como consultor na Mineradora Vale S.A. nesses segmentos, onde com muito orgulho promovi grandes avanços neste tema, diante de um fracasso histórico desta e de outras empresas. Aliado a isso projetei, implantei e treinei pessoal para o primeiro laboratório de micropropagação de plantas voltados para este fim.

Vitroplantas de Hoffmannseggella liliputana obtidas em laboratório de propagação in vitro.

Tamanduá-mirim em habitat de Hoffmannseggella liliputana na região de Ouro Branco/MG.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Habitat e um pouco da ecologia da Hoffmannseggella crispata

A razão pela qual venho aqui escrever algumas palavras sobre esta espécie é porque tenho visto muitas informações equivocadas acerca dela. 

Também, por trabalhar como consultor para empresas do setor de mineração, especialmente nas linhas de bioprospecção, multiplicação in vitro e convencional, e reintrodução de plantas nativas resgatadas de áreas impactadas, é rotineiro observar muito espaço para melhorias no manejo desta e de muitas outras espécies impactadas com a atividade, então compartilho minha experiência e divulgo o meu trabalho.

A princípio a Hoffmannseggella crispata é uma orquídea endêmica de Minas Gerais, mais precisamente da região do Quadrilátero Ferrífero (Fig. 1), e de um trecho mineiro da Serra da Mantiqueira, compreendendo a Serra Negra e o Parque Nacional de Ibitipoca, ambos próximos à cidade de Juiz de Fora/MG (Neto et al., 2009; Neto et al., 2007), no entanto alguns relatos mencionam a espécie nos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo.

De acordo com a lista da Flora Ameaçada de Minas Gerais está em perigo de extinção (categoria EN,  o que a grosso modo se traduz como "risco de extinção a médio prazo") (Fundação Biodversitas, 2016) e, pela lista do Centro Nacional de Conservação da Flora, está quase ameaçada (categoria NT) (CNFlora, 2016).

Muitos trabalhos citam a espécie como rupícola, tanto em campos rupestres quartzitos (Neto et al., 2009; Neto et al., 2007; Teixeira & Lemos Filho, 2013), quanto em campos rupestres ferruginosos (Teixeira & Lemos Filho, 2013). 

Quanto a isso é comum ver literaturas equivocadas mencionando a espécie como ocorrente em apenas um dos dois tipos de campos rupestres mencionados, tal como Bioma (2016) (que inclusive usa algumas fotos de minha autoria no livro) que em sua página 200 menciona para espécie apenas o ambiente "campo rupestre quartzítico" mas, prestando atenção, em sua página 201 há uma foto, de meia página, de um indivíduo de Hoff. crispata florido, tendo no segundo plano da foto fragmentos de canga, pois o mesmo se encontra naturalmente em um campo rupestre ferruginoso. Sob o ponto de vista prático este tipo de informação, limitada, pode gerar confusão para quem vai trabalhar com a reintrodução de exemplares resgatados desta espécie e, quer saber onde é o melhor ambiente para sua alocação. 

Acho conveniente apontar, ainda, um terceiro ambiente de ocorrência desta espécie, campos graminosos de altitude, onde ocorre como terrícola (planta de solo, ou de substratos relativamente mais espessos). Segundo o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (Santos et al., 2013) o Neossolo Litólico Hístico pode ter menos de 20 cm de profundidade antes do seu contato com a rocha, como no caso das fotos abaixo que tirei na Serra da Moeda, então, a espécie está ocorrendo em um solo bem definido.




Neste tipo de ambiente, campo graminoso de altitude sobre Neossolo Litólito, há uma vegetação composta principalmente de gramíneas nativas, com alguns arbustos esparsos, e as espécies bastante estresse tolerantes quanto ao déficit hídrico e à limitação nutricional que o solo muito raso, e pobre, proporciona. São plantas que crescem pouco e devagar, de modo que a orquídea consegue desenvolver sem ser demasiadamente abafada.

Se este ambiente equilibrado for alterado, por exemplo, com revolvimento e adubação, selecionará outras espécies, principalmente as competidoras, como ervas das famílias Malvaceae e Asteraceae, e gramíneas invasoras como capim-gordura (Melinus minutiflora) e capim-braquiária (Brachiaria decumbens), essas duas últimas espécies africanas e com pesadas restrições de uso pelos órgãos ambientais, dadas às suas características de exercerem dominância suprimindo a flora nativa do sistema, assunto controverso, ideia para futuro post no meu Edafopedos.

A meu ver, um exemplo de aplicação inadequada desta espécie em trabalhos de recuperação ambiental podemos ver em Rezende et al. (2013), que testou diferentes níveis de adubação e de profundidade de um substrato composto por fragmentos de canga. Os autores discutem que a baixa porcentagem de sobrevivência desta espécie é em decorrência de coletas, no entanto, independentemente disso, ao vermos na figura abaixo as ervas que se desenvolvem em profusão, já é plausível inferir subdesenvolvimento (brotos cada vez menores) até a morte dos indivíduos, em outras palavras, este tipo de planta não é deste tipo de ambiente, por razões que estão sendo apresentadas aqui nesta postagem.



Mas, na foto abaixo, temos um bom exemplo de uma reintrodução bem sucedida de exemplares da espécie, respeitando características do substrato que iniba o desenvolvimento de outro grupo de plantas que suprimiriam as Hoff. crispata do ambiente.


A Hoff. crispata, assim como outras Hoffmannseggellas, tem uma plasticidade morfológica muito grande em função do habitat, em uma escala micro, ou seja, num raio de 30 cm pode ter um indivíduo localizado em uma fresta mais profunda, com pseudobulbos delgados alcançando 20 cm de altura, e outro indivíduo sobre a rocha nua, com pseudobulbos arredondados alcançando cerca de 8 cm de altura.

Estando em uma variante de campo rupestre denominado de canga nodular, que como o nome diz consiste em nódulos concessionários, de diâmetro médio de 1 m, intercalados com frestas mais profundas, há muitos arbustos sombreando a Hoff. crispata, e é onde seu porte fica maior, pseudobulbos com até 30 cm de comprimento, delgados, e com uma folha bem plana (foto abaixo). Este tipo de ambiente, a cerca de 1200 m de altitude, dos que conheço é onde as populações da espécie são mais numerosas, no entanto, como tenho visto, é onde há uma menor incidência de indivíduos florescendo e menor incidência de plantas com frutos em desenvolvimento. Acredito que o sombreamento, que faz com que as plantas fiquem mais altas, é excessivo ao ponto de inibir o florescimento (ver ponto de compensação luminosa).

Indivíduos de Hoffmannseggella crispata em seu ambiente mais típico, campo rupestre ferruginoso - canga nodular, a 1200 m de altitude.

Quando em campos graminosos nativos, seus pseudobulbos ficam altos e finos também, no entanto, as folhas ficam mais inclinadas para captarem menos energia luminosa (já discutido em "Epidendrum, fotossíntese e saturação luminosa"). Neste ambiente, que geralmente está uma altitude de 1100 a 1400 m na Serra da Moeda, a quantidade observada de  indivíduos  geralmente é pequena.


Nos campos rupestres ferruginosos canga couraçada, bem como nas lajes de quartzito, os pseudobulbos ficam mais baixos e arredondados (eficiência volumétrica de conservação de água, já abordado em "Cattleya walkeriana Gardner (1843) - anatomia, morfologia, fisiologia, ecologia e cultivo") e as folhas mais inclinadas. As plantas, também, tendem a adquirirem coloração avermelhada devido ao maior acúmulo de antocianina, que é um pigmento (antioxidante) protetor da radiação demasiada (que é oxidante!).
Indivíduos de Hoffmannseggella crispata em canga couraçada na Serra da Moeda, 1550 m de altitude.
Indivíduos de Hoffmannseggella crispata em laje de quartzito na Serra de Ouro Branco: folhas inclinadas, pseudobulbos avermelhados e arredondados.
Os campos rupestres ferruginosos de canga couraçada estão associados a maiores altitudes, 1500 a 1600 m, e as Hoff. crispatas não são tão numerosas quanto na canga nodular. No entanto, creio que devido ao alto input energético, advindo da maior insolação, geralmente é onde encontramos uma maior porcentagem de indivíduos floridos, havendo, também,  sempre muitos frutos em desenvolvimento nas plantas.

Falando em frutos, o tempo de maturação dos mesmos (até que naturalmente se abrem) é maior do que um ano, sendo comum vermos indivíduos em flores ainda portarem os frutos advindos de polinizações de flores do ano passado (foto abaixo), investimento de recursos por parte das plantas que corrobora para uma alta porcentagem de germinação das sementes in vitro.


Tipicamente a floração vai de julho a outubro, sendo o pico em agosto/setembro. Tem um período de floração extenso, de maneira que tem aparecido híbridos naturais com outras espécies de Hoffmannseggellas que compartilham seu habitat.

A meu ver, a melhor maneira de se cultivar a Hoffmannseggella crispata é com vasos de plástico contendo brita 0 de construção (pedrisco) como substrato, sob uma tela de sombreamento de 35 %.


Algumas particularidades notórias da Hoffmannseggella crispata é a disposição compacta das suas flores no ápice do racimo floral, como que se projetando e se expondo melhor acima da vegetação adjacente, característica que não perde em cultivo, ou em qualquer dos tipos de ambientes citados.  Outra característica marcante, no entanto não em todos indivíduos da espécie, é a borda das folhas avermelhadas / arroxeadas. Estas duas características também são vistas na Hoffmannseggella milleri (futuro post!). 


 A espécie tem como sinônimos Cattleya crispata, Laelia crispata, Sophronitis crispata, Laelia flava, dentre outros, a razão de eu utilizar Hoffmannseggella crispata será assunto de um futuro post também.

Abaixo fotos de outras flores que compartilham o habitat e a época de floração com a Hoffmannseggela crispata: 


Referências citadas


Bioma Meio Ambiente Ltda. (2016). Sobre a flora das Reservas Particulares do Patrimônio Natural da Vale – Guia de espécies ameaçadas, raras e endêmicas registradas. Nova Lima/MG. CD-ROM. 411p.Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Hoffmannseggella%20crispata. Acesso em 23/08/2016.
Fundação Biodiversitas. 2016. Revisão das Listas das Espécies da Flora Ameaçadas de Extinção do Estado de Minas Gerais. Disponível em http://www.biodiversitas.org.br/listas-mg/consulta.asp. Acesso em 23/08/2016. 
Neto, L. M., Alves, R. J. V., Barros, F., & Forzza, R. C. (2007). Orchidaceae do Parque Estadual de Ibitipoca, MG, Brasil. Acta bot. bras21(3), 687-696.
Neto, L. M., Matozinhos, C. N., de Abreu, N. L., Valente, A. S. M., Antunes, K., de Souza, F. S., ... & Salimena, F. R. G. (2009). Flora vascular não-arbórea de uma floresta de grota na Serra da Mantiqueira, Zona da Mata de Minas Gerais, Brasil. Biota Neotropica9(4), 149. 
Rezende, L.A.L; Dias, L.E.; Assis, I.R. & Braga, R. (2013). Rehabilitation of ironstones outcrops degraded by iron minning activity in Minas Gerais State – Brazil. In: National Meeting of the American Society of Mining and Reclamation, Laramie, WY Reclamation Across Industries, June 1 – 6, 2013. R.I. Barnhisel (Ed.) Published by ASMR, 3134 Montavesta Rd., Lexington, KY 40502. p.287-294.
Santos, H.G. Dos; Jacomine, P.K.T.; Anjos,  L.H.C. Dos; Oliveira, V.A. De; Lumbreras, J.F.; Coelho, M.R.; Almeida, J.A. De; Cunha, T.J.F.; Oliveira, J.B. (2013). Sistema brasileiro de classificação de solos. 3.ed. rev. e ampl. Brasília: Embrapa. 353p.
Teixeira, W. A., & de Lemos Filho, J. P. (2013). A flórula rupestre do Pico de Itabirito, Minas Gerais, Brasil: lista das plantas vasculares. Boletim de Botânica31(2), 199-230.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Hadrolaelia pumila (Hook.) Chiron & V.P. Castro - Populações remanescentes no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais

*Transcrevendo um texto que escrevi para o Boletim AOSP nº 15 (http://www.aosp.com.br/).
O Quadrilátero Ferrífero
Situado a centro-sudeste de Minas Gerais, possui uma área de aproximadamente 7.200 km2 (Figura 1).

Figura 1 - Localização geográfica do Quadrilátero Ferrífero a centro-sudoeste de Minas Gerais. (Adaptado de Geopark – Quadrilátero Ferrífero).
Ao norte é delimitado pela Serra do Curral, ao sul pela Serra de Ouro Branco, a leste pela Serra do Caraça e porção sul da Cordilheira do Espinhaço, e a oeste pela Serra da Moeda, de modo que seu território assemelha-se à figura que lhe dá o nome, que é completado pela sua geologia originalmente rica em ferro. Essas serras prolongam-se formando cristas rochosas que atingem altitudes de até 1600 m.
É uma área de tensão entre os biomas Mata Atlântica e Cerrado, sendo que em solos mais profundos em um relevo mais abaciado, ou grotas, e em altitudes que não ultrapassam os 1300 m, encontram-se os capões florestais, com fitofisionomias[1] e espécies vegetais típicas de Mata Atlântica, como jacarandá-da-bahia, perobeira, quaresmeira (arbórea) e braúna. Já em solos rasos, declivosos, pedregosos, tanto em cotas mais elevadas quanto mais baixas, encontram-se os campos graminosos, limpos ou sujos, nesses últimos ocorrem em maiores quantidades plantas arbustivas e arbóreas tortuosas, típicas de cerrado, como o pequizeiro, barbatimão, quaresmeiras arbustivas (“quaresminhas”) e os ipês (Figura 2).




[1] Tipos de vegetação mais específicos.




Figura 2 - Encosta da Serra da Moeda, paisagem típica do Quadrilátero Ferrífero, comuns neblinas e nítida compartimentalização da vegetação em função do terreno. Platô no primeiro plano a cerca de 1100 m de altitude, topo da serra a cerca de 1600.
O clima da região é do tipo subtropical de altitude, com verão chuvoso e inverno seco. A média da temperatura do ar no verão é de 21 ºC e no inverno 16 ºC, a precipitação pluvial anual soma cerca de 1250 mm, e a umidade relativa é sempre alta (maior do que 76 %, mesmo no inverno) (MESSIAS, 2011), o que combinado com a queda abrupta de temperatura a noite proporciona um intenso orvalhar diário.
A transição entre os dois biomas e a diversidade de ambientes conferem à região uma grande diversidade biológica, e elevada taxa de endemismo[1] entre as espécies de plantas e animais que ali ocorrem.
Economicamente o Quadrilátero Ferrífero responde por crucial importância ao Brasil, pois é líder mundial em extração de minerais metálicos, especialmente o ferro, atividade esta que encabeça o PIB nacional. No entanto, essa extração combinada à ocupação urbana, desmatamento para agropecuária extrativista, e turismo pouco criterioso vem resultando em intensa alteração da paisagem.

A Hadrolaelia pumila (Hook.) Chiron & V.P. Castro
A Hadrolaelia pumila (Hook.) Chiron & V.P. Castro (2002) (ou Laelia pumila, Sophronittis pumila, Cattleya pumila) (Figura 3) é uma orquídea tipicamente epífita, e sua ocorrência já foi reportada para os estados de Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais (BARBERO, 2007).
É uma espécie bastante vitimada pela destruição do seu habitat, e o fato de ocorrer em pequenas populações (poucos indivíduos por área) faz dela especialmente vulnerável pela ação de coleta predatória. Segundo a Lista Vermelha da Flora Ameaçada em Minas Gerais é categorizada como em perigo de extinção em um futuro próximo (classe EN) (BIODIVERSITAS, 2007).
A partir indivíduos em cultivo, BARBERO (2007) descreve morfologicamente a Hadrolaelia pumila da seguinte forma:




[1] Espécies que só existem no local.


Figura 3 - Exemplar típico de Hadrolaelia pumila em cultivo.
“Rizoma 1,0-1,3 cm compr. entre pseudobulbos; pseudobulbos delgados, 5,0-7,5 cm compr., homoblásticos. Folhas estreitamente elípticas ou lanceoladas, 9,5-14,5 cm compr., 2,1-3,7 cm larg., ápice agudo ou obtuso, base atenuada, nervura central proeminente. Inflorescência 1- 2-flora, pedúnculo ca. 3,8 cm compr., brácteas florais triangulares, ca. 0,5 cm compr. Flores brancas, róseas ou lilases, com labelo púrpura; pedicelo + ovário 4,7-5,6 cm compr.; sépalas lanceoladas ou oblongo-lanceoladas, ápice agudo, a dorsal 4,5-6,3 cm compr., 1,1-1,9 cm larg., as laterais 4,5-5,9 cm compr., 1,1-1,8 cm larg.; pétalas com âmbito elíptico, ligeiramente assimétricas, com pequena reentrância no 1/3 superior, 4, 9-6,0 cm compr., 2,0-3,7 cm larg., ápice agudo ou obtuso, mucronulado; labelo 3-lobado, unguiculado, com âmbito obovado, 4,7-5,7 cm compr., 3,6-5,0 cm larg., envolvendo o ginostêmio, unguículo 0,2-0,4 cm compr., adnado à base do ginostêmio, lobos laterais arredondados, margem ondulada; lobo central obovado, 0,9-1,2 cm compr., 1,8-2,8 cm larg., ápice fendido, fenda 0,1-0,4 cm de profundidade; ginostêmio curvo, 2,2-2,5 cm compr.”

Nota sobre a ecologia das populações de Hadrolaelia pumila do Quadrilátero Ferrífero
Acompanhando relatos de orquidófilos da região, bem como tendo acesso às informações de relatórios de muitos estudos ambientais, além de uma série de idas a campo em locais de acesso restrito, a espécie se comprovou muito difícil de ser encontrada.
Ao longo do ano de 2014 foram encontradas duas populações, em duas áreas distintas no município de Itabirito/MG (figuras 4 e 5), cada uma dessas populações possuindo um número bastante reduzido de indivíduos.
Figura 4 - Área 1 de ocorrência da Hadrolaelia pumila.

Figura 5 - Área 2 de ocorrência da Hadrolaelia pumila.
Chama a atenção o fato de que as touceiras encontradas tenderem a serem relativamente velhas, grandes, com muitos pseudobulbos, então touceiras novas e seedlings são mais raras de ocorrerem, o que permite inferir uma baixa taxa de germinação das sementes e de sobrevivência dos protocórmios[1], culminando em baixa capacidade de povoamento.
Quando a planta está bem estabelecida a frequência de pseudobulbos folhados é bem maior do que uma touceira caída no chão, ou aderida a uma árvore em decomposição (Figura 6).
É plausível creditar esta pequena quantidade de folhas, diante do total de pseudobulbos, à intensa translocação, ou reaproveitamento, de água e nutrientes como o nitrogênio, fósforo e potássio, outrora acumulados nas folhas mais velhas até que, por limitações recentes de acesso a esses recursos pela planta, ela os envia para as partes em crescimento, o que promove a exaustão e queda das folhas mais velhas.


[1] Termo derivado do grego que significa “primeiro caule”, é o estágio inicial da vida de uma orquídea recém germinada, e é uma fase bastante crítica, pois necessita de condições bastante específicas.

Figura 6 – Touceira de Hadrolaelia pumila aderida a uma árvore em decomposição, menos da metade dos pseudobulbos com folhas.
As plantas de Hadrolaelia pumila tendem a ocuparem posições medianas das árvores, tecnicamente o que seria do fuste alto[1] até copa interna[2], e a abundarem em árvores nas bordas da mata, ou a beira de riachos, onde a descontinuidade florestal permite uma maior entrada de luz (Figura 7). Também foram encontrados indivíduos em uma árvore em ambiente aberto, sob praticamente pleno Sol (Figura 8).
Quando ocorrem em ambiente mais sombreado as folhas tendem a serem mais compridas, disporem-se horizontalmente e planas, e os pseudobulbos são mais altos e de formato mais cilíndricos (Figura 9), ao passo que, quando em ambiente mais ensolarado, as folhas são mais curtas, inclinadas e acanoadas[3], e os pseudobulbos mais curtos e arredondados.



[1] Parte mais elevada do tronco, antes do começo da copa da árvore.
[2] Região dos galhos que formam a copa da árvore que fica mais próxima do tronco.
[3] Dobram-se ao meio no sentido de seu comprimento, assemelhando uma canoa.


Figura 7 - Local de ocorrência típica da Hadrolaelia pumila.

Figura 8 - Indivíduos em ambiente ensolarado.

Em mata mais fechada o microclima é mais úmido, portanto o ar menos dessecante, aliado ao fato de receberem menos luz a auxina[1] tem uma meia vida[2] maior, e por isso as células alongam-se mais, o que reflete em folhas e pseudobulbos mais alongados. Sob pleno sol a auxina é mais intensamente destruída, resultando em diminuição de sua atividade e, por conseguinte, em células e órgãos mais curtos.
As folhas menores em ambiente ensolarado reduz significativamente a perda de água por evapotranspiração[3], e as folhas mais inclinadas reduzem a captação de energia luminosa, potencialmente mais intensa do que os tecidos das folhas suportariam, também o pseudobulbo arredondado é mais eficiente (relação área superficial/volume interno) em acumular água do que os mais cilíndricos.
Na figura 9 está uma das touceiras monitoradas ao longo do último ano, quando encontrada a mesma possuía um fruto originado na floração de 2014, e seguiu sem novas brotações até janeiro de 2015, fato que chama a atenção é a extrema rapidez em que as gemas entumecem, os pseudobulbos se desenvolvem e as flores se abriram após isso, em fevereiro de 2015.



[1] Hormônio vegetal responsável pelo alongamento celular, é destruído por luz (fotodegradação).
[2] Tempo em que a quantidade inicial de um composto se reduz pela metade, e assim sucessivamente, até restar em quantidade pouco significativa. No caso da auxina sob luz o tempo de degradação é maior do que no escuro.
[3] Termo criado pela combinação de transpiração (água saindo do interior do corpo de um ser vivo para o meio externo) e evaporação (água já na superfície da folha que vai para a atmosfera).


Figura 9 – Touceira em 5/08/2014 (a); touceira em 14/01/2014 (b), e; touceira em 20/02/2015 (c).
Em março de 2015 dois novos frutos já se desenvolviam, e o fruto de 2014 se encontrava em estágios finais de maturação (Figura 10).
Figura 10 - Dois novos frutos no ano de 2015, e o fruto de 2015.
É plausível que as flores mais expostas sejam mais facilmente avistadas por agentes polinizadores, potencialmente abelhas e beija-flores, onde num primeiro momento se espera uma maior incidência de frutos, no entanto, nessas condições é, aparentemente, também mais avistada por insetos que delas se alimentam, de maneira que as touceiras em ambientes mais abertos não só não apresentavam vestígios de frutos formados em outras florações, como também na ocasião as flores estavam intensamente danificadas por insetos, e muitas delas já senescentes (Figura 11).
Figura 11 – Ausência de vestígios de frutos e algumas flores comidas e já senescentes (pendúculos amarelados).
Os capões florestais onde ocorrem as Hadrolaelia pumila correspondem a florestas subperinifolias[1], de maneira que preserva maior umidade no ambiente, mesmo ao longo dos meses mais secos, fato importante para que os incêndios anuais, extremamente severos, não ultrapassem os limites dos campos graminosos, na época acentuadamente secos.
Esses habitats orquídea estão sendo mantidos em sigilo e intactos por hora, mas a gama de adversidades possíveis é grande.

Referências citadas
BARBERO, A.P.P. 2007. Flora da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil): Orchidaceae - Subtribo Laeliinae. São Paulo. 107p. (Dissertação de Mestrado).
BIODIVERSITAS. 2007. Revisão das Listas Vermelhas da Flora e da Fauna Ameaçadas de Extinção de Minas Gerais – Relatório Final, Volume 2. Belo Horizonte. 69p.
GEOPARK. 2015. Geopark – Quadrilátero Ferrífero, disponível em < http://www.geoparkquadrilatero.org/?pg=principal>, acessado em 28 de março de 2015.
MESSIAS, M.C.T.B. 2011. Fatores Ambientais Condicionantes da Diversidade Florística em Campos Rupestres Quartzíticos e Ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Ouro Preto. 119p. (Tese de Doutorado).



[1] A maioria das espécies de árvores não perdem as folhas no outono/inverno.