sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Polinização de flores de orquídeas

Aí uma coisa na qual demorei para aprender, justamente pela falta de quem me ensinasse.

Inicialmente cabe a escolha das matrizes, a partir de um objetivo no qual se deseja cumprir, sejam a obtenção de flores de melhor forma, de algum colorido em particular, ou meramente por curiosidade.

Neste caso, estou curioso para saber o resultado do cruzamento entre uma Cattleya aclandiae (abaixo à esquerda) com uma Cattleya schofieldiana (abaixo à direita).















O resultado será um híbrido primário, não sei se já encontrado na natureza e/ou classificado, pois as mesmas possuem alguns habitats em comum.

Meu principal objetivo com este cruzamento é conferir a segregação na descendência, de modo que permita traçar modelos quanto à herdabilidade de algumas características inerentes à estas espécies, por exemplo, se assim como a matriz aclandiae as filhas folhecerão em qualquer época do ano, a característica dos lóbulos laterais envolvendo a coluna na schofieldiana será passada, o quanto a aclandiae contribuirá para o porte das filhas deste cruzamento, bem como padrões de coloração, florescimento após (schofieldiana) ou sem (aclandiae) a espata, dentre outras características.

Pimeiro: Retirada das políneas de ambas as flores envolvidas, cada com uma extremidade diferente do palito de dente, para não haver contaminações por grãos de pólens de origem indesejável.

O macete para efetuar polinização de modo que haja bastante chance de fecundação na maioria das orquídeas é observar se a coloração das flores já estão "maduras", pois é normal ocorrer que as flores abrem mais claras e irem ficando mais escuras com o tempo, até certo limite, estabilizando-se nesta coloração por um certo tempo, até acelerarem os processos de senescimento na flor quando a coloração novamente é alterada, por exemplo, comumente regiões onde são amareladas nas Cattleyas passam a ser avermelhadas com o envelhecimento da flor .



No caso das Cattleyas existem quatro políneas (estruturas que abrigam os grãos de polén) no androceu da flor.

Para fins de realizar os cruzamentos, duas delas já são mais que suficientes, pois possuem uma quantidade muito grande de grãos de pólen.

Segundo: Separadas as políneas na ponta do palito, basta introduzir no estigma da flor.






















A partir daí, cada um dos grãos de polén germinará o tubo polínico que levará um de seus dois núcleos a fecundar um dos milhões de óvulos no ovário da flor, cada óvulo fecundado corresponde a um embrião e uma semente então (claro, neste caso desconsiderando os embriões nucelares tão comuns em manga e nos citros, por exemplo)

O próximo passo é identificar com uma plaqueta o cruzamento, tomando o cuidado de fixá-la de modo que a mesma não caia ou mude de posição, o trará confundimentos.















Acredito que o resultado deste cruzamento não terá tanto valor agregado quanto às espécies das quais originou.


Viver só de satisfazer curiosidades infelizmente não dá, pensando nisso auto-polinizei a mesma C. aclandiae em outra oportunidade de florecimento, assim como usando a metade restante das políneas da C. schofieldiana auto-polinizei-a também.

















14 comentários:

maria tereza disse...

Sempre didático, não ?

ainda bem que és meu professor de reforço.Reforço escolar......


abs

Fátima disse...

Muito obrigada por esta aula!
Pena que muitas pessoas dificultem o aprendizado de nós amadoríssimos!
Parabéns!

EDSON disse...

Cara perfeito suas dicas, só que nós iniciantes é como você disse as vezes é uma coisa tão simples mais a maioria das pessoas que já sabem fazer a polinização, não da dicas tão detalhadas como você fez, mas o ideal seria um vídeo, acho que seria mais "pedagógica".
Um grande abraço e parabéns pela disponibilidade de seu material.

dhiogo disse...

Olha, eu gostaria de saber se é possivel realizar enxerto em orquideas, pois eu vi postagem de uma pessoa num site na net dizendo que foi sim realizado um enxerto, porem não foi postado imagem disso, então procurei mas não achei.
Poor favor, se isso é mesmo possivel coloca imagem desse processo pra mim.
Seria algo muito interessante.
Desde já agradeço respostas.

Anônimo disse...

Muito Obrigado, estavo curioso soibre como polinizar uma orquidea, minha mãe tem uma floricultura e tem varias orquideas bom, polinizei uma orquidea e é fantastico, a abertura na boca dela esta fechada, ela está toda amrelinha na ponta, e no caule esta maior e mais verde.

Renata Brigeiro disse...

Oi,
Obrigada!!!
Li muita coisa, vi muitos vídeos mas só aqui no seu blog entendi como fazer a polinização. Vou tentar na minha e depois digo como correu. E o resultado, qual foi? Esta "aula" é de 2008. Depois da polinização qual o passo seguinte?
Abraço (renatadbri@gmail.com)

MARCÍLIA DE CASTRO disse...

OLÁ, VOCE JÁ TEM O RESULTADO DESTE CRUZAMENTO? JÁ TEM FOTOS? POSTA AQUI PARA CONHECERMOS O RESULTADO.

OBRIGADA

Anônimo disse...

É mais ou menos assim que poliniza outras espécies de orquídeas?

Claudio Pereira disse...

Coloca ai um topico sobre as epidendrum elipticum.

Rômulo Bulhões disse...

Prezado amigo, você tentou, mas não explicou com detalhes onde se faz o que e a onde, de forma mais esclarecida.
Tira o que? põe a onde? de forma mais clara!!
1-O que acontece com a Planta depois de germinada?
2- A planta cai?
3- É plantada na terra?
4- Vai para uma estufa?
5- Põe no vaso?
Enfim como vc disse em seu início de conversa, a explicação tem que ser didática para leigos.

DAVI VALIM FREIRE disse...

Estou iniciando o cultivo de orquídea e fiz um texte, pela primeira vez, retirei o polen de uma Oncídium (chuva de ouro) e coloquei em uma Cattleya Forbesi, a flor já secou e está aparecendo uma capsula. Agora é só esperar por muito tempo e matar a curiosidade para saber o que dará.

DAVI VALIM FREIRE disse...

Estou iniciando o cultivo de orquídea e fiz um texte, pela primeira vez, retirei o polen de uma Oncídium (chuva de ouro) e coloquei em uma Cattleya Forbesi, a flor já secou e está aparecendo uma capsula. Agora é só esperar por muito tempo e matar a curiosidade para saber o que dará

DAVI VALIM FREIRE disse...

Estou iniciando o cultivo de orquídea e fiz um texte, pela primeira vez, retirei o polen de uma Oncídium (chuva de ouro) e coloquei em uma Cattleya Forbesi, a flor já secou e está aparecendo uma capsula. Agora é só esperar por muito tempo e matar a curiosidade para saber o que dará.

UmEmail PontoCom disse...

Ninguém merece sr Romulo, suas duvidas mostram que sequer entende de orquideas. O artigo e para leigos no assunto, para que o senhor entenda, em polinização de Orquideas, nao para leigos em geral, que nao sabem diferenciar uma samambaia de uma orquidea.
Lamento um profissional tao dedicado como o Marcus ter que dividir sua sapiência e ainda ler um comentário infeliz como o do senhor...