terça-feira, 24 de abril de 2007

Dicas para uma adubação mais eficiente para orquídeas.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Este post foi o primeiro do meu blog, e até hoje é um dos mais comentados, e também está dentre os mais acessados. Escrevi outro, um upgrade deste, cerca de 3 anos depois, então recomendo aos interessados pelo tema passarem por lá: ADUBAÇÃO DE ORQUÍDEAS (29 de julho de 2010).
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------




"Na foto da esquerda a evolução de uma Sophronitis cernnua com a adubação, à direita, uma Cattleya loddigesii"


Muitos são os equívocos e dúvidas no que se refere à adubação de orquídeas. Estes equívocos e dúvidas referem-se, principalmente, quanto ao modo de aplicação, se pela irrigação ou foliar, em que época do ano realizar a adubação de forma mais intensa, quais horários e qual a freqüência para realizá-la.
Assim, tem-se por objetivo apresentar algumas informações que contribuirão para uma prática de adubação mais eficiente para as orquídeas, ou seja, um menor esforço associado a um melhor resultado.
Primeiramente, convém diferenciar a forma de absorção de nutrientes pelas bromélias e pelas orquídeas. Nas bromélias existem células modificadas, denominadas células escama, localizadas em maior densidade na base da roseta formada pelas folhas, elas são uma adaptação para a absorção de nutrientes. Já as orquídeas não possuem estas adaptações nas folhas. Por isso, o potencial de absorção de nutrientes pelas orquídeas variará de acordo com alguns aspectos, como a idade da folha e o próprio estado nutricional da planta.
Ressalta-se que todo o potencial de absorção de nutrientes minerais pelas folhas das orquídeas é muito aquém da quantidade demandada pela planta em relação à maioria dos nutrientes, especialmente os macronutrientes, que são os requeridos em maior quantidade. Em contrapartida, suas raízes são as mais evoluídas da natureza para absorção destes nutrientes, devido a uma série de adaptações morfológicas e fisiológicas. A eficiência de absorção varia em função da espécie, de suas necessidades no local onde a mesma evoluiu, ou seja, se há maior disponibilidade de nutrientes, como nos ambientes terrestres sob mata densa ou menor disponibilidade, como nos casos de epífitas sobre árvores do cerrado, neste último caso elas tendem a serem mais ávidas à aquisição destes.
Quanto à adubação foliar, os resultados satisfatórios que são obtidos ocasionalmente, provavelmente, se devem ao fato da lavagem eventual dos sais acumulados nas folhas, após a evaporação da água, para o substrato sob influência das raízes, através das chuvas e regas.
A fertirrigação apresenta-se como a melhor forma de adubação, pois, associa um melhor uso de energia, tempo e produto. Para instrumentá-la, é necessário que a solução água mais adubo seja dirigida diretamente sobre a superfície do substrato, com este previamente umedecido para colaborar com uma maior absorção, uma maior homogeneidade da concentração de adubo ao longo do volume do substrato e, também, para uma diminuição da perda por escorrimento direto do adubo, caso o substrato esteja muito seco, principalmente, se o substrato for a fibra de xaxim.
Juntamente com a irrigação propriamente dita, a fertirrigação torna-se mais eficiente, se feita em determinados horários. Assim, no geral, o melhor horário para ocorrer a adubação é no final de tarde. Isto se deve ao mecanismo fotossintético das orquídeas de maior representatividade em coleções que determina a abertura de estômatos à noite, ou próxima dela, e, conseqüentemente, propicia a entrada e movimentação de água e nutrientes nas plantas aí. Com isso, a planta estará regada e adubada para uma situação relativamente mais próxima do ótimo de absorção.
Outro ponto que merece destaque é cautela quanto a não promover o excesso de adubação. Portanto, o orquidófilo também deve ficar atento quanto à necessidade de lavagem do excesso de sais acumulados nos substratos e paredes dos recipientes, geralmente, sinalizados pelo aspecto esbranquiçado dos mesmos, pois, na mesma medida que as raízes são eficientes em absorver, elas também são sensíveis ao excesso de sais. Basicamente, a lavagem se dá com uma rega mais demorada com a mangueira, vaso a vaso, periodicamente, sendo que uma vez ao mês é suficiente. O sintoma mais característico de salinidade alta no substrato é a queima dos ponteiros das raízes, a necrose na região apical.
Outro ponto de significativa relevância é a escolha do tipo de adubo. Dispor de adubos minerais que apresentem altos teores de alguns poucos nutrientes, em geral preocupando-se apenas com o N-P-K, em detrimentos de outros tão importantes quanto, mas em quantidades menores, acaba criando uma maior necessidade de se conciliar aquele adubo com outros, o que muitas vezes torna-se uma atividade pouco prática.
Para escolha do adubo, é importante saber que a quantidade de cada nutriente a planta necessita na adubação depende principalmente da espécie, do atual estágio de desenvolvimento (brotação, floração, etc.), e do quanto seu ambiente já é capaz de suprir, por exemplo, quanto e em que velocidade a decomposição do substrato forneceria de nitrogênio. Todavia, não tendo informações precisas neste grau de refinamento e considerando que, em condições amadoras, tem-se que trabalhar com situações médias, recomenda-se, portanto, conciliar um adubo mineral com uma composição qualitativamente ampla, por exemplo, o Orchidées B & G, que se constitui de vários sais, disponibilizando nutrientes de imediato às plantas, com as proporções entre os nutrientes ajustadas satisfatoriamente para um grande número de espécies e híbridos.
É sempre interessante conciliar a adubos minerais, ou “químicos”, com adubos orgânicos ou organominerais, que possuem composição complexa, com gradual taxa de fornecimento de nutrientes às plantas.
Convém esclarecer que, se a mistura conter cinzas, que são minerais, não caberá mais a denominação orgânica unicamente e que o papel do adubo orgânico ou organomineral é suprir uma eventual demanda não atendida plenamente com o mineral.
Quanto à periodicidade, quando aplicada quinzenalmente, a adubação mineral é considerada satisfatória, durante o ano todo, mesmo no inverno, pois se existe brotação há necessidade de se fornecer nutrientes, e também ocorrendo a “lavagem” mensal do substrato, não haveria grandes problemas de excesso, caso as plantas não estejam em pleno crescimento.
Alguns resultados dessa freqüência são que algumas espécies e híbridos são estimulados a florir mais de uma vez por ano pela adubação, as flores sempre vindo com os brotos novos, e mesmo para aquelas espécies mais “disciplinadas”, que só brotam e florescem em uma época bem definida do ano, a freqüência citada não tem trazido prejuízos.Logo, pode-se afirmar que conciliar a forma de adubação com o tipo de adubo adequado pode facilitar o cultivo de orquídeas e propiciar o alcance de resultados mais satisfatórios.

34 comentários:

Marcus V. Locatelli disse...

Este texto foi inspirado naquelas dúvidas que me foram mais costantemente apresentadas pelos orquidófilos que tive contato.
Dúvidas como "tem que fazer adubação foliar?", "Em qual lado da folha?", "Qual o horário?"...

Iglesias disse...

Oi Marcus!
Só para registrar que visitei seu Blog e dizer que adorei.
As informações são bem interessantes...
Parabéns pela iniciativa!
Beijão

raphalei disse...

Bom dia, Marcos!

-Achei excelentes as dicas sobre adubação de orquídeas, como encontrar o abubo: Orchidées B & G, ou similar?

ctneves disse...

E ESCLARECEDOR.
ABRAÇOS.
CESAR T. NEVES

Marcus V. Locatelli disse...

Obrigado a todos pelos comentários.
o adubo B & G se encontra em etapa final de registro junto ao ministério da agricultura, em poucas semanas estará sendo divulgado e vendido mais intensamente.
abraços

gdrsys disse...

Excelente trabajo documental. Muy completo y detallista. Los temas muy bien descriptos.
Un aporte importante y muy significativo para todos los orquidiofilos.

Felicitaciones.!!!
Damiàn Romero
La Plata
Argentina

Washington disse...

Marcus:

Parabéns pelo blog.
Altissimo nivel, e muito esclarecedor.
Atualmente estou morando na Europa (transferido a trabalho), não vejo a hora de voltar para minha Bahia, e voltar a cuidar das minhas meninas ...

Um grande abraço.

Anônimo disse...

Adorei, suas informações tiraram minhas dúvidas, parabéns...

Anônimo disse...

Visitei seu blogger e adorei a materia.

Anônimo disse...

Ótimas informações sobre adubação em orquídeas, parabéns pelo material, muito bom!!!

Anônimo disse...

Marcus,

gostaria só de citar que obtive excepcionais resultados utilizando o fertilizante orgânico da Provaso em meu orquidário, é muito bom. Parabéns pelas informações.

Lenilton minas gerais

BeG FLORES - FERTILIZANTES E NUTRIÇÃO VEGETAL disse...

Boa tarde a todos!

O Adubo Orchidées B&G já se encontra disponível e quem tiver interesse em adquirir entre em contato pelo e-mail: contato@begflores.com.br

Fertilizante para o cultivo de Orquídeas que contém macronutrientes e micronutrientes, em concentrações equilibradas para o desenvolvimento e crescimento de plantas de Orquídeas, desde a produção de mudas, durante o seu cultivo e até a produção de flores!

Site: www.begflores.com.br

AYMAR disse...

São informações importantes, para mim adubação e o eficaz enraizamento é um assunto que muito me agrada. Fico feliz ao ver uma planta bem enraizada no substrato. Seu blog é uma referencia importante no trato e cultivo dessas jóias da natureza.

aymar disse...

São informações importantes, para mim adubação e o eficaz enraizamento é um assunto que muito me agrada. Fico feliz ao ver uma planta bem enraizada no substrato. Seu blog é uma referencia importante no trato e cultivo dessas jóias da natureza.

Anônimo disse...

Adorei a sua reportagem , me ajudou muito com as minhas orquoideas, beijos.

Anônimo disse...

boa noite!
gostaria de saber porque minha orquidea ficou com as folhas enrugadas, com aparencia de ressecadas. ela esta amarrada a um tronco pendurado na parede á sombra, vaporizo fertilizante peter´s 202020, e molho todo dia. quando estava com cochonilhas pilverizei dimmy para uso domestico...desde entao está como citei acima.
aguardo resposta e agradeço desde já.
obrigada.
santos-em@hotmail.com

Leonardo disse...

Gracias Marcos por tu intervención.
Quiero que me aclares algo, y es que por lo general aplico los abonos con asperjadora, a hojas, tallos y raices. Los abonos que uso son de aplicación foliar, sin embargo yo procuro hacer llegar la solución a toda la planta incluyendo las raices del sustrato.
¿Necesito adquir un abono radicular para complementar la alimentacion apropiada de la planta o esta bien asi como lo hago? ¿Se supone que los abonos foliares también se absorven por las raices de la misma forma eficiente que los radiculares?
Por favor envía la respuesta a mi correo y no importa si lo haces en tu idioma puedo comprender las ideas generales.
Gracias nuevamente.
Leonardo Caracas, Venezuela
leonardoramosbarrera@gmail.com

Phillipe disse...

Po rapá. Parabéns pelo texto. Deu pra pegar as informações tranquilos. Nada de palavras difíceis etc. Parabéns mesmo!
Sou estudante de Bio tb.
Abraço!

Mara Mendes disse...

Marcus, parabéns por este espaç. Muito informativo. Sucesso pra vc em seu doutorado. Abraços

Anônimo disse...

bom dia Marcus parabens pela materia eu ja comprei o adubo b&g e muito bom,agora comprei meio de cultura e que estou com uma capsula de warnerii quase boa e vou tentar fazer a semeadura eu ja tentei com hibridos fiz trez vezes 15 vidros so consigui que um vidro germinasse e faz um ano agora em maio se voce tiver alguma dica pra min eu te agradeço.
um forte abraço.
Geraldo

danielle disse...

Olá!Acabei de descobrir seu blog e adorei.Você conhece um adubo pra orquideas chamado solan?Comprei no ceagesp de SP mas não tenho idéia do que seja a fórmula.Na pratica foi muito bom.

Anônimo disse...

Ola Amigo Marcus aqui eo Porfirio achei muito bom voce ter criado este blog nos estamos precisando de pessoas como voce para passar estas espricaçao sobre adubar plantas.Muito obrigado

Anônimo disse...

Boa tarde Marcus, suas dicas vieram ao encontro das minhas necessidades, muito obrigada.Comprei a adubacao da B&G flores, mas ficou uma dúvida que não consegui esclarecer na embalagem.Ela vem em saches, classificadas em A e B.Pergunto, deve ser utilizadas juntas, ums colher de café de cada?Grata

Marcus V. Locatelli disse...

Sim, uma parte (colher) de A + uma parte de B na mesma solução, ao mesmo tempo.

Anônimo disse...

Parabens Marcus, sao informacoes importantes que nao havia encontrado em nenhum outro lugar. OBS Tbm sou de Marilia
Um abraco
Simone

Carlos H. disse...

Usei os adubos B&G Flores e gostei muito dos resultados!! Recomendo!
Troquei os meus antigos produtos e agora só uso o B&G.

MGloriaM disse...

Marcus

Adorei a matéria, por isso, peço permissão para mencioná-la em meu blog e colocar um link para o seu.
aguardo sua manifestação.

Anônimo disse...

olha realmente você entende bastante do assunto. parabéns , essas dicas vão me ajudar muito com minhas belezinhas. parabéns msm, amei seu blog

Anônimo disse...

CLEDEIR


gostei muito do seu site me ajudou muito na minhas duvidas brigado.

Maria do Carmo disse...

Gostei muito de suas dicas...minhas orquideas estao sem cobertura...vou providenciar amanha mesmo...vou continuar lendo, estou adorando aprender com vc...parabens pro tanta sabedoria..

Maria do Carmo disse...

Estou aprendendo muito com seu blog...meu filho estuda biologia e me incentiva muito com minhas orquideas..por estou sempre em busa de informaçoes..obrigada e parabens pela sua sabedoria...

ELTON BELO REIS disse...

Ola Marcus, fiquei sabendo que a vitamina b1e um excelente hormonio enraizador. Sabe algo acrespeito? Tenho algumas mudas que estao debilitadas de raizes e com isso nao estao nem apontando mais novas gemas, mas sao bem antiguinhas. Pode me ajudar? Elton Belo Reis.: Barbacena MG.

BRINCANDO DE SER ESCRITOR disse...

Olá! Parabéns pelo post. Sou bastante leigo em cultivo de orquídeas. Há 1 ano mais ou menos ganhei duas orquídeas que fora fixada em um tronco de coqueiro. Depois dessas duas já conseguir mais três que também fora fixada em coqueiros. Uma delas já deu flor, muito linda. Mas, como disse sou leigo não sei nem mesmo as espécies que tenho, porém, estou amando a idéia de cultivá-las. Moro no litoral baiano, península de maraú, Barra grande. tenho uma área com espaço legal com bastantes árvores e espaços com bastante sol e outros já bem fechado pelas copas das árvores. Gostaria de saber de ti qual local seria melhor e teria um custo menos para construir um orquiário, pequeno e simples no momento, e qual tipo de orquideas para cultivar em minha região.

Anônimo disse...

ola,marcus,ganhei umas mudas de plantas umas delas são orquideas,não sei como cuidar,nem mesmo indentificar,pois a causa de tudo isso ,é uma promessa que fiz,agora qdo as pessoas sabem da promessa me doaram essas plantas,fiz a promessa de agradecimento pa o SR JESUS CRISTO,que cultivaria as plantas doadas e assim q elas crescerem ,crescem tbm a vidas das pessoas q doaram,ou seja ,qm da recebe ,qm ganha tbm.agora,embora nunca tive o dom de plantar,peguei um gosto tão especial,mas não posso desistir,há 3 meses,mudei de vaso,furei os vasos de plastico,parece queijo suiço,coloquei pedaços de azulejos,terra preta,com po de xaxim,umas estão bem,mas sem fores,outras não sei se vingara,ja as orquideas ,não sei...pode me ajudar? se vc qser doar tbm...envie na r peixe 40D fundos ,cep 083440-440 bejos....Deus te de em dobro em tudo amém?