quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Retirando as orquídeas dos frascos - 1

Em se tratando de retirada de orquídeas dos frascos existem alguns cuidados importantes a serem tomados para não se jogar fora um trabalho e uma espera de aproximadamente um ano.

Cuidados estes referentes à lavagem das plantas e acondicionamento das mesmas enquanto aguardam o plantio nas bandejas, cuidados também referentes a escolha do lugar a se deixar as bandejas.

Para aqui ilustrar os procedimentos usei plantas em frascos que estavam contaminados, porém, pela contaminação ter sido tardia, as plantas já estavam grandes, algumas até passadas da hora de retirar dos frascos diga-se de passagem, que por restrição de espaço muitas vezes me vejo obrigado a mantê-las o maior tempo possível nos frascos. Para verem mais sobre contaminações no meio de cultura cliquem aqui.





















Quanto às contaminações tardias, que são aquelas contaminações que surgem depois de algum tempo (meses!) no frasco sem que se tenha de alguma forma manipulado os mesmos, tenho três hipóteses que considero plausíveis para tentar explicar porque acontecem, e sabendo delas pode-se ao menos buscar atenuar o problema:

1- má esterilização do meio nutritivo (auto-clave desregulada aliada a vidros sujos, por exemplo), que permite a sobrevivência das estruturas de resistências dos microrganismos por muito tempo, até anos, microrganismos que deixarão suas formas latentes (esporos) quando se encontrarem em um ambiente favorável à sua proliferação.

2- má desinfestação das ferramentas utilizadas em algum momento, como pinças, levando também esporos resistentes para dentro do frasco.

3-frascos acondicionados em ambientes sujeitos a muita oscilação térmica em um espaço de tempo relativamente curto, algumas horas, compare os casos abaixo.

À esquerda em prateleiras na sala de cultura de um laboratório, onde os frascos com as plantas ficam a temperatura de cerca de 25 ºC constante ao longo do dia, pouco problema com contaminações tardias e, à direita, sobre a mesa da minha sala de jantar, onde os frascos na beirada do lado da janela recebem luz solar direta por quase a manhã toda, com maiores ocorrências de contaminações tardias.














Estas mudanças de temperatura, especialmente nos frascos que aquecem-se mais sob o Sol, acarretam em contrações e dilatações das tampas e consequente de suas vedações, que já se encontram bastante empoeiradas (abaixo).


Mesmo assim, é perfeitamente viável improvisar "um canto" a se alojar os frascos para as mudinhas crescerem, tomando o cuidado ainda para esses frascos não receberem muita insolação direta bem como água de irrigação ou de chuva.

Ainda, fugindo do assunto principal do post, para variar, muita gente acha que os frascos são absolutamente vedados e impermeáveis, o que não é verdade, pois sempre existirão trocas gasosas, por menores que sejam, entre as atmosferas de dentro com as de fora dos frascos. Permeabilidades estas na maioria das vezes restritas o suficiente para barrar os microrganismos.

E finalmente, vamos à retirada das plantinhas de orquídeas de dentro dos frascos:

Sob uma torneira abra os frascos e de uma lavada.





















Após se jogar o excesso de água fora, dê umas pancadinhas com a outra mão no fundo do frasco de modo a quebrar o máximo possível a consistência do meio nutritivo. Após mais um enxague, boa parte do meio nutritivo já sairá.











Depois de despejar as plantinhas na peneira termina-se de retirar todo o resquício de meio nutritivo aderido às raízes, caso contrário, um eventual resquício será um foco de uma colônia de fungos decompositores na base de uma planta tenra e indefesa.














Cuidado com as regiões onde havia focos de contaminações, são mais difíceis de lavar:










Abaixo, morte de raízes pela ação dos fungos que liberaram substâncias nos meios nutritivos. Nota-se que a morte das raízes acarretou em deficiências nutricionais das plantinhas dentro dos frascos. As folhas amareladas indicam deficiência de nitrogênio.











Para agilizar esta etapa, após a lavagem pode-se ir acondicionando as plantas lavadas no recipiente de origem, também lavado.










Mas para acondicionar as plantas retiradas por mais tempo, é aconselhável ajustar um pouco
mais o recipiente. No caso, prefiro utilizar de potes plásticos.











Para que as plantas que possam ter alguma parte encostada no fundo do pote plástico não fermentem naquela região de água acumulada, é útil que se cubra o fundo com uma camada de papel higiênico, ou outro papel absorvente qualquer.































Mantém-se o papel úmido, não encharcado, e a tampa do pote fechada, afim de se manter uma atmosfera saturada de umidade no interior dos potes de modo que as plantinhas nãos desidratem-se. Dessa forma, esses seedlings de orquídeas aguentam algumas semanas aguardando serem transplantadas.

Alguns recomendam um tratamento com fungicidas, o que considero absolutamente desnecessário, pois no geral os fungos que causam contaminação nos meios de cultura são meramente oportunistas, e proliferarão de qualquer maneira se o ambiente a se alojar as plantas for favorável.

Continua...

6 comentários:

Pedro Amorim Pereira disse...

Ola

Estou a ver seu blog pela primeira vez e estou fascinado pelo cultivo de orquideas. qual a constituição do meio de cultivo que usa?
Seu blog é muito interessante. Parabens.

Pedro Amorim Pereira disse...

"Li" todo o blog. Parabens mesmo.
Sou de Portugal e tenho uma loja de bonsai e plantas diversas. Costumo dar formação em bonsai e um pouco nos cuidados das orqídeas.

Incluí em meu blog: http://mestrebonsai.spaces.live.com um link para a sua pagina, se não se importar. Tenho pena de não poder Importar orquideas suas, mas vou passar o endereço a alguns dos meus fornecedores, uma vez que eles podem importar, e assim atraves deles, eu ;-)

Tinha perguntado pelo meio de cultura e descobri que você é como eu, gosta de ensinar :-) e encontrei um post com o que perguntava. Obrigado.
Parabens pelo blog uma vez mais.

zhe bocoio disse...

Parabens por seu empenho e conteúdo do blog! Bastante educativo para orquidófilos interessados em aprimorar-se! Fui indicado por uma amiga e gostei! Estarei divulgando teu trabalho no meu site denominado www.orquidariocuiaba.com.br - qdo. der faça uma visita! Um abraço!

José Luiz disse...

Tomei a liberdade de adicionar seu link no meu blog-site do Orquidário Cuiabá virtual, na categoria blogroll e parceiros. Veja depois em www.orquidariocuiaba.com.br - Um abraço e continuemos nessa meta de repassar aos demais aquilo que temos aprendido! Parabéns!

maria tereza disse...

jamais tive vontade de fazer isto, mas com esta explicação dá vontade de meter a mão na massa




me aguarde

Dê (Edzilda) disse...

Marcus, se retirar as plantinhas já contaminadas e limpar bem colocar nesses potinhos com papel e pulverizar um bom fungicida vc acha que adianta?
Quantas e qual intevalo de aplicação vc recomendaria?