quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Hadrolaelia pumila (Hook.) Chiron & V.P. Castro - Populações remanescentes no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais

*Transcrevendo um texto que escrevi para o Boletim AOSP nº 15 (http://www.aosp.com.br/).
O Quadrilátero Ferrífero
Situado a centro-sudeste de Minas Gerais, possui uma área de aproximadamente 7.200 km2 (Figura 1).

Figura 1 - Localização geográfica do Quadrilátero Ferrífero a centro-sudoeste de Minas Gerais. (Adaptado de Geopark – Quadrilátero Ferrífero).
Ao norte é delimitado pela Serra do Curral, ao sul pela Serra de Ouro Branco, a leste pela Serra do Caraça e porção sul da Cordilheira do Espinhaço, e a oeste pela Serra da Moeda, de modo que seu território assemelha-se à figura que lhe dá o nome, que é completado pela sua geologia originalmente rica em ferro. Essas serras prolongam-se formando cristas rochosas que atingem altitudes de até 1600 m.
É uma área de tensão entre os biomas Mata Atlântica e Cerrado, sendo que em solos mais profundos em um relevo mais abaciado, ou grotas, e em altitudes que não ultrapassam os 1300 m, encontram-se os capões florestais, com fitofisionomias[1] e espécies vegetais típicas de Mata Atlântica, como jacarandá-da-bahia, perobeira, quaresmeira (arbórea) e braúna. Já em solos rasos, declivosos, pedregosos, tanto em cotas mais elevadas quanto mais baixas, encontram-se os campos graminosos, limpos ou sujos, nesses últimos ocorrem em maiores quantidades plantas arbustivas e arbóreas tortuosas, típicas de cerrado, como o pequizeiro, barbatimão, quaresmeiras arbustivas (“quaresminhas”) e os ipês (Figura 2).




[1] Tipos de vegetação mais específicos.




Figura 2 - Encosta da Serra da Moeda, paisagem típica do Quadrilátero Ferrífero, comuns neblinas e nítida compartimentalização da vegetação em função do terreno. Platô no primeiro plano a cerca de 1100 m de altitude, topo da serra a cerca de 1600.
O clima da região é do tipo subtropical de altitude, com verão chuvoso e inverno seco. A média da temperatura do ar no verão é de 21 ºC e no inverno 16 ºC, a precipitação pluvial anual soma cerca de 1250 mm, e a umidade relativa é sempre alta (maior do que 76 %, mesmo no inverno) (MESSIAS, 2011), o que combinado com a queda abrupta de temperatura a noite proporciona um intenso orvalhar diário.
A transição entre os dois biomas e a diversidade de ambientes conferem à região uma grande diversidade biológica, e elevada taxa de endemismo[1] entre as espécies de plantas e animais que ali ocorrem.
Economicamente o Quadrilátero Ferrífero responde por crucial importância ao Brasil, pois é líder mundial em extração de minerais metálicos, especialmente o ferro, atividade esta que encabeça o PIB nacional. No entanto, essa extração combinada à ocupação urbana, desmatamento para agropecuária extrativista, e turismo pouco criterioso vem resultando em intensa alteração da paisagem.

A Hadrolaelia pumila (Hook.) Chiron & V.P. Castro
A Hadrolaelia pumila (Hook.) Chiron & V.P. Castro (2002) (ou Laelia pumila, Sophronittis pumila, Cattleya pumila) (Figura 3) é uma orquídea tipicamente epífita, e sua ocorrência já foi reportada para os estados de Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais (BARBERO, 2007).
É uma espécie bastante vitimada pela destruição do seu habitat, e o fato de ocorrer em pequenas populações (poucos indivíduos por área) faz dela especialmente vulnerável pela ação de coleta predatória. Segundo a Lista Vermelha da Flora Ameaçada em Minas Gerais é categorizada como em perigo de extinção em um futuro próximo (classe EN) (BIODIVERSITAS, 2007).
A partir indivíduos em cultivo, BARBERO (2007) descreve morfologicamente a Hadrolaelia pumila da seguinte forma:




[1] Espécies que só existem no local.


Figura 3 - Exemplar típico de Hadrolaelia pumila em cultivo.
“Rizoma 1,0-1,3 cm compr. entre pseudobulbos; pseudobulbos delgados, 5,0-7,5 cm compr., homoblásticos. Folhas estreitamente elípticas ou lanceoladas, 9,5-14,5 cm compr., 2,1-3,7 cm larg., ápice agudo ou obtuso, base atenuada, nervura central proeminente. Inflorescência 1- 2-flora, pedúnculo ca. 3,8 cm compr., brácteas florais triangulares, ca. 0,5 cm compr. Flores brancas, róseas ou lilases, com labelo púrpura; pedicelo + ovário 4,7-5,6 cm compr.; sépalas lanceoladas ou oblongo-lanceoladas, ápice agudo, a dorsal 4,5-6,3 cm compr., 1,1-1,9 cm larg., as laterais 4,5-5,9 cm compr., 1,1-1,8 cm larg.; pétalas com âmbito elíptico, ligeiramente assimétricas, com pequena reentrância no 1/3 superior, 4, 9-6,0 cm compr., 2,0-3,7 cm larg., ápice agudo ou obtuso, mucronulado; labelo 3-lobado, unguiculado, com âmbito obovado, 4,7-5,7 cm compr., 3,6-5,0 cm larg., envolvendo o ginostêmio, unguículo 0,2-0,4 cm compr., adnado à base do ginostêmio, lobos laterais arredondados, margem ondulada; lobo central obovado, 0,9-1,2 cm compr., 1,8-2,8 cm larg., ápice fendido, fenda 0,1-0,4 cm de profundidade; ginostêmio curvo, 2,2-2,5 cm compr.”

Nota sobre a ecologia das populações de Hadrolaelia pumila do Quadrilátero Ferrífero
Acompanhando relatos de orquidófilos da região, bem como tendo acesso às informações de relatórios de muitos estudos ambientais, além de uma série de idas a campo em locais de acesso restrito, a espécie se comprovou muito difícil de ser encontrada.
Ao longo do ano de 2014 foram encontradas duas populações, em duas áreas distintas no município de Itabirito/MG (figuras 4 e 5), cada uma dessas populações possuindo um número bastante reduzido de indivíduos.
Figura 4 - Área 1 de ocorrência da Hadrolaelia pumila.

Figura 5 - Área 2 de ocorrência da Hadrolaelia pumila.
Chama a atenção o fato de que as touceiras encontradas tenderem a serem relativamente velhas, grandes, com muitos pseudobulbos, então touceiras novas e seedlings são mais raras de ocorrerem, o que permite inferir uma baixa taxa de germinação das sementes e de sobrevivência dos protocórmios[1], culminando em baixa capacidade de povoamento.
Quando a planta está bem estabelecida a frequência de pseudobulbos folhados é bem maior do que uma touceira caída no chão, ou aderida a uma árvore em decomposição (Figura 6).
É plausível creditar esta pequena quantidade de folhas, diante do total de pseudobulbos, à intensa translocação, ou reaproveitamento, de água e nutrientes como o nitrogênio, fósforo e potássio, outrora acumulados nas folhas mais velhas até que, por limitações recentes de acesso a esses recursos pela planta, ela os envia para as partes em crescimento, o que promove a exaustão e queda das folhas mais velhas.


[1] Termo derivado do grego que significa “primeiro caule”, é o estágio inicial da vida de uma orquídea recém germinada, e é uma fase bastante crítica, pois necessita de condições bastante específicas.

Figura 6 – Touceira de Hadrolaelia pumila aderida a uma árvore em decomposição, menos da metade dos pseudobulbos com folhas.
As plantas de Hadrolaelia pumila tendem a ocuparem posições medianas das árvores, tecnicamente o que seria do fuste alto[1] até copa interna[2], e a abundarem em árvores nas bordas da mata, ou a beira de riachos, onde a descontinuidade florestal permite uma maior entrada de luz (Figura 7). Também foram encontrados indivíduos em uma árvore em ambiente aberto, sob praticamente pleno Sol (Figura 8).
Quando ocorrem em ambiente mais sombreado as folhas tendem a serem mais compridas, disporem-se horizontalmente e planas, e os pseudobulbos são mais altos e de formato mais cilíndricos (Figura 9), ao passo que, quando em ambiente mais ensolarado, as folhas são mais curtas, inclinadas e acanoadas[3], e os pseudobulbos mais curtos e arredondados.



[1] Parte mais elevada do tronco, antes do começo da copa da árvore.
[2] Região dos galhos que formam a copa da árvore que fica mais próxima do tronco.
[3] Dobram-se ao meio no sentido de seu comprimento, assemelhando uma canoa.


Figura 7 - Local de ocorrência típica da Hadrolaelia pumila.

Figura 8 - Indivíduos em ambiente ensolarado.

Em mata mais fechada o microclima é mais úmido, portanto o ar menos dessecante, aliado ao fato de receberem menos luz a auxina[1] tem uma meia vida[2] maior, e por isso as células alongam-se mais, o que reflete em folhas e pseudobulbos mais alongados. Sob pleno sol a auxina é mais intensamente destruída, resultando em diminuição de sua atividade e, por conseguinte, em células e órgãos mais curtos.
As folhas menores em ambiente ensolarado reduz significativamente a perda de água por evapotranspiração[3], e as folhas mais inclinadas reduzem a captação de energia luminosa, potencialmente mais intensa do que os tecidos das folhas suportariam, também o pseudobulbo arredondado é mais eficiente (relação área superficial/volume interno) em acumular água do que os mais cilíndricos.
Na figura 9 está uma das touceiras monitoradas ao longo do último ano, quando encontrada a mesma possuía um fruto originado na floração de 2014, e seguiu sem novas brotações até janeiro de 2015, fato que chama a atenção é a extrema rapidez em que as gemas entumecem, os pseudobulbos se desenvolvem e as flores se abriram após isso, em fevereiro de 2015.



[1] Hormônio vegetal responsável pelo alongamento celular, é destruído por luz (fotodegradação).
[2] Tempo em que a quantidade inicial de um composto se reduz pela metade, e assim sucessivamente, até restar em quantidade pouco significativa. No caso da auxina sob luz o tempo de degradação é maior do que no escuro.
[3] Termo criado pela combinação de transpiração (água saindo do interior do corpo de um ser vivo para o meio externo) e evaporação (água já na superfície da folha que vai para a atmosfera).


Figura 9 – Touceira em 5/08/2014 (a); touceira em 14/01/2014 (b), e; touceira em 20/02/2015 (c).
Em março de 2015 dois novos frutos já se desenvolviam, e o fruto de 2014 se encontrava em estágios finais de maturação (Figura 10).
Figura 10 - Dois novos frutos no ano de 2015, e o fruto de 2015.
É plausível que as flores mais expostas sejam mais facilmente avistadas por agentes polinizadores, potencialmente abelhas e beija-flores, onde num primeiro momento se espera uma maior incidência de frutos, no entanto, nessas condições é, aparentemente, também mais avistada por insetos que delas se alimentam, de maneira que as touceiras em ambientes mais abertos não só não apresentavam vestígios de frutos formados em outras florações, como também na ocasião as flores estavam intensamente danificadas por insetos, e muitas delas já senescentes (Figura 11).
Figura 11 – Ausência de vestígios de frutos e algumas flores comidas e já senescentes (pendúculos amarelados).
Os capões florestais onde ocorrem as Hadrolaelia pumila correspondem a florestas subperinifolias[1], de maneira que preserva maior umidade no ambiente, mesmo ao longo dos meses mais secos, fato importante para que os incêndios anuais, extremamente severos, não ultrapassem os limites dos campos graminosos, na época acentuadamente secos.
Esses habitats orquídea estão sendo mantidos em sigilo e intactos por hora, mas a gama de adversidades possíveis é grande.

Referências citadas
BARBERO, A.P.P. 2007. Flora da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil): Orchidaceae - Subtribo Laeliinae. São Paulo. 107p. (Dissertação de Mestrado).
BIODIVERSITAS. 2007. Revisão das Listas Vermelhas da Flora e da Fauna Ameaçadas de Extinção de Minas Gerais – Relatório Final, Volume 2. Belo Horizonte. 69p.
GEOPARK. 2015. Geopark – Quadrilátero Ferrífero, disponível em < http://www.geoparkquadrilatero.org/?pg=principal>, acessado em 28 de março de 2015.
MESSIAS, M.C.T.B. 2011. Fatores Ambientais Condicionantes da Diversidade Florística em Campos Rupestres Quartzíticos e Ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Ouro Preto. 119p. (Tese de Doutorado).



[1] A maioria das espécies de árvores não perdem as folhas no outono/inverno.

2 comentários:

lucio ximenes alves ferrari cortes luciodon disse...

Otima Matéria!!! Muito esclarecedora para se conhecer o clima que a planta vegeta de verdade... abraço!

Unknown disse...

Parabéns pelo trabalho, não sabia desta ocorrência as vezes em tempo aberto. Sempre em seus trabalhos possuem referências significativas a ser seguida, outra vez, parabéns.